28 de set de 2012

Coleção Itaú de Livros Infantis 2012

Quem segue este blog sabe o quanto considero importante o incentivo à leitura desde a primeira infância. Acredito piamente que o livro abre horizontes, amplia caminhos e expande o olhar sobre o mundo. Em casa, estimulamos demais a prática com a Nina, que desde bem pequena está em contato com livros (pirei quando ela participou do #quelivro do Educar para Crescer!)

Adoramos passear em livrarias, principalmente as que dedicam um espaço especial para os pequenos leitores (nós gostamos muito da Livraria da Vila e a Cultura). Compramos e ganhamos muitos exemplares (amigos queridos, obrigada de coração pelos exemplares do último aniversário!), e para que se sinta ainda mais ambientada, Nina ganhou uma prateleira só dela na estante da sala. Ela pega, lê, rabisca, e aprendeu a guardar de volta (mamãe ensinou, porque odeia bagunça quer que a filha seja dona de si).  

Por isso ajudo a divulgar com gosto ações como a que o Itaú Criança, da Fundação Social do Itaú, faz desde 2010: a Coleção de Livros oferece 3 exemplares que são entregues de graça na sua casa. A edição 2012 está aberta e este ano os livros são O Ratinho, o Morango Vermelho Maduro e o Grande Urso Esfomeado, Poesia na Varanda e Lino. Mas corre, porque a promoção é limitada! Clique aqui e participe! 

E bem que outras instituições financeiras, que lucram taaanto, poderiam seguir o exemplo, né? #queromaislivrodegraça

Livros: sempre ótimos amigos para as crianças

25 de set de 2012

Mãe de família comete crime e vai presa só pra ter tempo pra ficar sozinha?

Com a maternidade a vida fica mais corrida e deixamos de lado muitas coisas que fazíamos na fase "sem filhos". Não coloco em mérito se é melhor ou pior, cada uma sabe de si... mas é fato que surgem novas prioridades, e conseguir ver um filme inteiro de uma vez só ou se dedicar a leitura sem ter alguém subindo no seu colo são atividades que ganham nova, digamos, logística.

Foi então que o site Sensacionalista teve a brilhante (ao meu ver) ideia da matéria Mãe de família comete crime só para ser presa e passar um tempo sozinha... antes que alguma mãe amarga comece a atirar pedras, vale lembrar que é um site de humor (do dicionário, humor é a "capacidade de compreender, apreciar ou expressar coisas cômicas, engraçadas ou divertidas", ok?). 

Abre parênteses: queria ser uma mosca pra ver como são as reuniões de pauta do Jornal Sensacionalista. Fecha parênteses. 


Piadas à parte, a pergunta é: se você ganhasse o direito de ter mais tempo para você, o que faria? 

13 de set de 2012

Cocô no penico - o pontapé inicial do desfralde da Nina

O tema desfralde está na pauta de casa. Tenho lido sobre e acompanhado outras mães que estão vivenciando esse momento, me preparando para quando chegar a vez da Nina, que sempre me seguiu no banheiro (privacidade pra que, né?). Então percebi que, de umas semanas pra cá, ela ficava muito atenta quando eu estava no vaso sanitário (por favor, não imaginem a cena, não quero causar constrangimento em ninguém), pedindo para pegar o papel higiênico pra mim, abrindo a tampa do lixo... 

Foi então que resolvi colocar o penico que comprei pra ela, na viagem que fizemos para a casa da vó Sara, no banheiro. Abre parênteses: estava na Baby r us da Times Square quando enlouqueci por um penico das princesas, todo rosa, com uma descarga que toca música. Fecha parênteses e toma remédio anti-surto. Desde então, toda vez que vou fazer minhas necessidades, ela senta no penico e me imita, mesmo estando de roupa. Inclusive usa papel para 'se limpar' e joga no lixo. Eu, para incentivar, digo que ela fez tudo muito certo, que é isso aí, batemos palmas, cantamos, fazemos festa no apê banheiro. Aí aprimorei a tática de guerra: comecei a colocá-la sentada sem fralda, pouco antes do banho matutino. Ela ficava ali toda sorridente, praticamente uma bonequinha de "Amar é?", só me observando... 

Hoje pela manhã falei "Filha, silêncio... ouve só o xixi da mamãe", enquanto meu sistema urinário entrava em ação. Ela ficou quietinha, olhos tão atentos quanto os ouvidos... e de repente, falou "Nina!", apontando para o próprio assento. Eu (dei descarga e lavei as mãos antes, sou mãe limpinha) corri pra ver e qual não foi minha alegria quando vi um belo montinho marrom dentro do penico! (duvido que quem tenha filhos vai sentir nojo). A partir daí, foram beijos, abraços e sorrisos! Corremos para chamar o papai, que estava dormindo-acordando: pulou da cama, bateu palmas, enfim, nos despedimos daquele cocô com muita alegria!

Claro que foi um momento mágico e importante, mas apenas o primeiro passo na luta no processo do desfralde. Agora temos um longo caminho a percorrer, com paciência, carinho e cuidado... Sobre o assunto, tem muita coisa legal na net, e eu indico o "Pequeno" guia do desfralde, da mãe e blogueira Luciana Azevedo, além dos vídeos do Mamatraca. Vale também trocar experiências com outras mães nas redes socias e conversar com o pediatra. Para a parte prática, há livros infantis que também colaboram, como O que tem dentro da sua fralda?, Coco no trono e o Hora do Penico (versão menina e menino).  

Mas, acima de tudo, é importante olhar pro (a) filho (a) com os olhos do coração e perceber se ele (a) está mesmo pronto (a) para deixar a fralda de lado. O sucesso (ou fracasso) depende exclusivamente do respeito ao tempo da própria criança - só ela sabe e sente quando está pronta, segura e feliz para tomar as rédeas do seu próprio corpo e decidir onde quer fazer seus cocôs e xixis.

[Filha, se você já tem 15 anos e esta página ainda está disponível no mundo cibernético do seu tempo, perdoe a mamãe... mas você ficou tão feliz em fazer cocô no penico!]

E com você, como foi a hora do desfralde? Fácil ou difícil? Tem algum "truque" pra ensinar? Conte nos comentários! (Quem quiser, por favor, deixe dicas de outros links e livros sobre o assunto - toda ajuda é bem-vinda!)

8 de set de 2012

Laços de família (ou "post para Bibi")

Minha família é relativamente pequena: meu pai só teve um irmão, que já é falecido e não teve filhos. Minha mãe tem duas irmãs: a Márcia e a Ligia. A Li não teve filhos (embora tenha adotado os sobrinhos e sobrinhos-neto), portanto, de primeiro grau, tenho apenas 3 primos, filhos da Má (e do tio Lu): Filipe, Paula e Flávio. Resumindo esse nariz de cera genealógico, eu tenho apenas uma prima de primeiro grau, a Paula. 

Quando a gente era pequena e uma ia dormir na casa da outra, não eram raras as vezes que levávamos bronca porque não conseguíamos ficar quietas. Eu me lembro de sentar à mesa para jantar e minha mãe brigar com as duas, pois não parávamos de rir. Pior: quanto mais a gente ria, mais bronca levava, e mais vontade de rir tinha! Pura bobeira (gostosa). A vida, por motivos próprios, nos afastou, já que cada uma seguiu seu caminho: a Paula fez pedagogia e hoje é professora em Campinas, eu fui fazer jornalismo e acabei indo morar em São Paulo. Mas os laços, aqueles que são amarrados com fitas de carinho, ficaram. 

Já adultas, vimos uma reaproximação legítima em função de coisas em comum - Paula casou-se com o querido Oswaldo, um equatoriano desbravador que se fixou aqui no Brasil por amor, eu "casei" com o André, que embora tenha nascido em SP, traz no sangue a origem chilena. O ponto em comum mais divertido são nossas filhas*. Gabriela e Nina se identificaram desde o primeiro encontro, sempre em momentos de bagunça, alegria e cumplicidade.  É um barato ver as duas juntas, que 'se e nos' divertem, com doçura que só mesmo crianças são capazes. 

Como a Bibi é mais velha (a diferença de idade é de 3 anos), Nina segue a brincar numa espécie de "siga a mestre ensandecida", com direito a muita "arte", como diz a Bisa Íris - que, por sinal, se delicia com a presença das bisnetas, mesmo quando as duas estão embaixo da mesa de jantar. Outra vantagem de ter prima mais velha é que recebemos sacolas e sacolas de roupas que já não servem mais, ô coisa boa!!! Bibi vive recheando o guarda-roupa da Nina, obrigada sempre!!! 

E assim a vida, aquela mesma que por algum motivo me 'afastou' da Paula, segue. E os laços de família (aê, Manuel Carlos, abração pra vc!) continuam ali, atados, firmes e fortes.

E com vocês, o nascimento dos filhos reaproximou pessoas? Mudou algo na sua família? 

Brincadeira pouca é bobagem, gente. Com vocês, Bibi e Nina: 













E quem deu essa sandália pra Nina???


*Depois da Gabi, Paula deu à luz Léo, que por enquanto apenas observa atento as travessuras das meninas. Por enquanto... 




5 de set de 2012

Mães, internet e a primeira entrevista da Nina!

O blog da Nina começou com a ideia de compartilhar com nossas famílias, que moram em outras cidades, o dia a dia com a pequena. Um diário (não necessariamente com postagens diárias, porque, né, mãe de primeira viagem não tem tempo nem de respirar! rs) contando o desenvolvimento, a evolução, enfim, o crescimento da nossa filha. 

Com as conexões com mães do mundo cibernético, o blog foi, aos poucos, ganhando outras temáticas, sempre dentro do universo (tão rico e vasto) infantil. Hoje eu sempre falo que é um misto de registro da Nina e da mãe da Nina, porque um dia, se quando ela ler meus posts, vai se conhecer como filha e me conhecer (mais) como mãe. 

Foi um pouco isso que falamos na matéria do programa Hoje em Dia, da TV Record: "Mães usam a internet para mostrar "aventuras" e fotos de seus bebês". Adorei participar, porque a Nina se comportou muito bem durante a gravação (o pai fez media training com ela no dia anterior hehehe) e também por mostrar como a tecnologia pode sim, aproximar - conversarmos com a Sara, minha sogra querida, que mora tão longe (de distância) e tão perto do coração. 

Ninoca nem estranhou as câmeras! :))

Vale lembrar que, como a gente nunca sabe quem está do outro lado da linha da tela, é preciso ter cuidado ao postar fotos e vídeos de crianças. Cabe aos adultos o bom senso de não expor de forma inadequada e - até perigosa - seus filhos (apesar de que tem mãe que faz isso em programa de TV). 

E você, também tem blog pra mostrar para o familiares? O que acha do uso da tecnologia como registro do crescimento dos pequenos?

 

Obs: a Carla Martins, mãe do Arthur, é uma querida!!! :))
Obs 2: a repórter, Caroline Keller, está grávida!!! Bem-vinda ao time, Carol!!! Que amor <3

3 de set de 2012

Mãe que estimula filha de 4 anos a fumar em concurso de "miss" é mãe?

Olha, a gente vê de tudo nesse mundo, e até se acostuma com coisas que são surreais - gente morando embaixo de ponte, animais maltratados pelas ruas, idosos em situação pra lá de abandono... mas vi hoje uma matéria no site Vírgula que realmente me chocou: "Durante concurso de miss infantil na TV, menina de 4 anos aparece fumando". Parem o mundo que eu quero descer. 

Primeiro que já acho concurso de beleza entre crianças pequenas pra lá de deprimente. É uma pena mães  (loucas) exporem os filhos em seletivas pra lá de bizarras em busca de um título tão... vazio. Miss mundo serve pra que mesmo - além da ostentação do título? Aí depois a pessoa cresce obcecada pelo corpo, pela beleza e pela "fama", e faz o que se vira um adulto "comum"?

Não contente em colocar a filha no concurso da TV britânica, a mãe a estimula a fumar "igual a Sandy, famosa personagem vivido por Olivia Newton-John no filme Grease". Alô, conselho tutelar britânico, ajude a manter a sanidade mental da pequena Lisa!

Ou será que isso é "normal" e eu que tô exagerando?

"o conjunto da obra" (roupa, cabelo, unhas e cigarro) é no mínimo, bizarro

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...